Quinta-feira, 5 de Agosto de 2010
A despedida
Todos me perguntam Que é aquilo que seguro e trato Com tanto cuidado Digo que não têm nada com isso Que se metam na sua vida Mas aquilo que guardo É o meu bem mais valioso Foi num dia de Inverno Chovia a cântaros Foi debaixo da ponte ferroviária No dia seguinte Ela iria partir Ia mudar de casa, de escola Já não iria vê-la Mando-me que a esperasse Era 18h e o encontro Estava marcado para as 17h Não se via viva alma Triste, olhei mais uma vez para o relógio Vou-me embora Já devem de estar preocupados em casa Quando levantei os olhos Lá estava ela Vinha a correr Para se safar da chuva Senti-me feliz Como quem está de férias na praia No mês de Agosto Abraçou-me O seu coração batia depressa Não sei se por me ver Ou se por ter vindo a correr Se calhar pelos dois Beijou-me O nosso primeiro beijo E também o último As nossa línguas tocaram-se Enrolaram-se Fundiram-se numa só Depois afastou-se segurando nos meus braços Olhou-me nos olhos E antes de voltar a correr Nas mãos deixou-me este lenço Lenço esse que não mais o larguei Ricardo Franco
publicado por Odracir às 17:20
link do post | comentar | favorito
|
Pesquisa personalizada
.links